Estrutura da Mente

Para que você possa entender como a hipnose clínica (hipnoterapia) funciona, é muito importante entender como sua mente funciona. Quase nunca pensamos em como nossa mente funciona. Nós basicamente dizemos a nós mesmos: se pensarmos sobre algo, logo existimos. E deixamos isso seguir em frente sem reflexões mais profundas. Para efeito de entendimento, diríamos que há em todos nós três mentes muito distintas. Eles têm funções diferentes e podem ter dificuldades em se inter-relacionar e se intercomunicar:

  • As 3 mentes seriam:
    • neste momento de conversa e diálogo, relacionamo-nos com a mente consciente
    • abaixo desse nível de consciência, temos algo chamado de mente subconsciente
    • e ainda há uma mente ainda mais profunda, a mente inconsciente

 

Mente Inconsciente:

A mente inconsciente basicamente é uma parte de nós que:

  • -> Controla o sistema imunológico e,
  • -> Controla as funções automáticas do corpo físico, tais como: batidas do coração, piscar dos olhos e coisas nesta ordem.

Nós não vamos nos preocupar com esta parte da mente na terapia.

 

Mente Consciente:

A mente consciente é onde passamos a maior parte do tempo. Em linhas gerais, a mente consciente tem quatro funções e não mais:

  • Analisar -> essa é a parte de nós que analisa os problemas, procura uma maneira de resolvê-los quando nos incomodam em um determinado momento. É também a parte de nós que exerce as centenas de decisões do que temos que fazer para passar por um dia normal, decisões que pensamos serem automáticas, mas que de fato não são. Coisas como, “Eu deveria abrir a porta?”, “Eu deveria amarrar meus sapatos?”. Nós pensamos que são funções automáticas, mas devemos tomar uma decisão sobre se queremos ou não fazer essas coisas.
  • Racionalizar -> é a parte que começa a nos ocasionar um pouco de problemas às vezes. Nós chamamos isso de parte racional da nossa mente consciente. Esta parte de nós deve propor uma razão pela qual nos comportamos de forma particular. Motivos do por que fazemos as coisas que fazemos, porque da ansiedade ou irritabilidade ou angústia ou ainda frustação. Os hospitais psiquiátricos, por exemplo, estão cheios de pessoas que fazem coisas e não sabem por que as fazem – não usam, portanto, a razão. A razão assim é importante. O único problema com o motivo proposto pela mente racional é que nunca é um motivo original. Repete-se onde muitas vezes deveria haver novo comportamento, originalidade.
    • Por exemplo: um fumante diz que fuma porque o acalma, sentindo-se relaxado, dando-lhe um tempo para fazer uma pausa e reunir seus pensamentos. Uma pessoa com excesso de peso dirá possivelmente que come mais quando está aborrecida ou ansiosa ou justifica ainda como alguma questão orgânica. O problema com estes motivos é que nunca são originais. Antes que o fumante desenvolvesse seu hábito, ele provavelmente ouvia outros fumantes afirmando: “Eu fumo porque me faz sentir calmo e relaxado”. Uma pessoa com peso excessivo ouvia outros obesos dizerem: “Estou com excesso de peso porque eu como quando estou nervoso”. O problema com isso é que não entendemos ou conhecemos geralmente o motivo real pelo qual as pessoas são fumantes ou estão com excesso de peso: sua necessidade de segurança. Eles querem pertencer a outro grupo social (de amigos), geralmente quando mais jovens, entre os doze e vintes anos. A segurança é uma necessidade básica de todos os seres humanos. Teoricamente, deveríamos receber toda a segurança de que precisamos quando crescemos em uma família agradável e saudável emocionalmente. Entretanto, com a idade de doze ou treze anos, passamos muitas vezes, a entender que nossos pais não são tão inteligentes como eles costumavam ou pareciam ser. Assim nós bloqueamos nossa capacidade de ganhar segurança com esses indivíduos e projetamos essa segurança fazendo parte de um grupo social distinto. Alguns desses grupos costumam fumar por exemplo. Já outros não. Nossa mente subconsciente – que trataremos logo mais – nos protege dos possíveis perigos decisórios. Mas nossa mente consciente, utilizando apenas argumentos racionais, pode indicar que fumantes são aceitos e seguros socialmente e que tudo estaria em conformidade ao fazermos parte deste grupo. Se isso acontecer, a próxima vez que alguém oferecer um cigarro você provavelmente aceitará, imediatamente sentirá que faz parte desse grupo e seu nível de segurança aumenta. É por isso que as pessoas começam a fumar. Não tem nada a ver com ser calmo ou relaxado. Reforçamos assim que a razão pela qual a mente racional argumenta tal ou qual comportamento nunca é original e quase sempre é incorreta! Não se começa a fumar porque isso faz você se sentir calmo! Começa-se quando precisa de segurança!
  • Poder da vontade -> ainda usando o exemplo de um fumante ou do excesso de peso poderíamos dizer: “Vou colocar este pacote de cigarros longe de mim e nada nesta Terra me fará começar a fumar de novo.” Todos sabemos quanto tempo isso normalmente dura! Sabemos quanto tempo uma dieta normalmente dura! A força de vontade enfraquece pouco a pouco e depois o padrão de hábito antigo volta novamente.
  • Memória de curto prazo -> essa é a memória que precisamos todos os dias para o cotidiano. “Como encontro minha maneira de trabalhar?”, “Qual o nome do meu marido ou mulher?”, “Quais são os nomes dos meus filhos?”, “Qual é o número do meu telefone?”. A memória que precisamos para passar por um dia comum.
  • Fator crítico da mente consciente -> detalharemos esta parte mais adiante. Diríamos apenas que se trata de uma espécie de funcionário da mente subconsciente que trabalha na mente consciente, controlando as sugestões recebidas*.

*Leia adiante o tópico: O que é e por quê utilizar hipnoterapia, (texto da opção 1).

 

Isso é tudo o que a mente consciente faz. Nada mais. Nossa mente consciente é muito lógica, muito analítica, porém frequentemente equivocada.

 

Mente Subconsciente:

 

Mente subconsciente está além do consciente, em um nível mais profundo e corresponde ao real ser que somos. A mente subconsciente é incrivelmente poderosa. Pode realizar qualquer desejo seu.

Para entender como a mente subconsciente funciona, faremos uma analogia com um computador sem sistema operacional: nada se pode com computador sem esta programação. Por que? Um computador só pode operar com base em um programa operacional que é inserido nele. Só se pode alterar a programação operacional original deste computador se substituir a programação antiga instalando uma nova. Esta é a forma como nossa mente subconsciente opera. Mas ao invés de usar um único sistema operacional, ela usa vários (descreveremos todos em breve). A mente subconsciente é como um computador e seu sistema operacional, só que mais poderoso. Programamos “nosso computador” chamado mente subconsciente todos os dias e em todas as nossas experiências de vida. Quando nascemos, nosso computador está basicamente sem sistema operacional. Ou ainda, podemos dizer que há um pouco de programação, mas não muito. Tudo está arquivado, sem muito acesso. Todos os dias adicionamos programação para o nosso computador interno.

A regra primária do “nosso computador” chamado mente subconsciente é essa: seremos o tipo de pessoa que ele pode perceber com base em tudo que será, paulatinamente, programado internamente do nascimento até a morte física. Por exemplo: esse nosso computador, com base em sua programação, percebe-nos gordos. Então somos e seremos gordos. Se nos percebe magros, somos e seremos magros. Um sucesso ou uma falha é o que somos e seremos. Ele acrescenta todos estes resultados na programação e toma uma decisão sobre nós, sobre o tipo de pessoa que somos e seremos.  A fonte desta programação é muito ampla: experiências vividas.

Quais são estes “programas” da mente subconsciente então? Quais características eles possuem? Ou em outras palavras, quais as funções da mente subconsciente? Vejamos:

  • memória permanente -> a mente subconsciente contém toda a nossa memória permanente, desde o dia em que nascemos. Isso vai além da memória de curto prazo da mente consciente. A mente subconsciente é como uma câmera de vídeo que tudo grava e arquiva: tudo o que já aconteceu com você, que você ouviu, viu, cheirou ou provou está arquivado permanentemente nos bancos de memória de sua mente subconsciente. Nunca esquecemos nada. Se houver necessidade, na hipnose clínica ou hipnoterapia, podemos acessar esse banco de memória permanente e apreciar realmente uma viagem de volta no tempo. Por exemplo, em hipnose de regressão (hipnoanálise), podemos viajar e viver seu primeiro aniversário ou seu nascimento. Mas isso é muito mais do que simplesmente lembrar; é como se estivesse lá novamente, tudo acontecendo de novo. Você pode cheirar, você pode saborear, você pode ouvir com muita clareza. Nós nunca esquecemos qualquer coisa no subconsciente. Esquecemos apenas no nível consciente.

Reviver uma memória positiva preenche lacunas emocionais. Resignificar uma memória traumática negativa nos permite libertação de problemas difíceis.

  • gerenciar hábitos -> a mente subconsciente contém todos os nossos hábitos. Há três tipos de hábitos. Somente três. Hábitos bons, maus hábitos e hábitos neutros, mas úteis. E de fato a maioria de nossos hábitos não são nem bons nem ruins, mas simplesmente úteis. Assim, respondemos automaticamente de certa forma quando algo acontece: quando o telefone toca, por exemplo, não olhamos para isso e nos perguntamos o que é. Nós o aceitamos automaticamente e dependendo de nosso humor, nós o respondemos de uma certa maneira.
  • emoções-> a mente subconsciente contém as emoções. E claro, não queremos viver sem nossas emoções, como amor e carinho. Mas às vezes nossas emoções nos colocam em problemas. A mente consciente não pode lidar com as emoções de forma alguma por que não faz parte do seu trabalho. Toda vez que precisamos atuar com uma emoção, lidaremos com nosso lado irracional, juvenil. Entretanto é o lado altamente inteligente, muito embora nos coloque em situações desembaraçosas. Então, depois que a situação acabou e que a mente consciente analítica assume novamente, você se questiona: “Por que eu disse isso?”, “Por que eu fiz isso? Foi tão estúpido. “E essa mente subconsciente interna poderia dizer: “Sim, mas este é o seu programa instalado”. Isso acontece com todos nós em algum momento da vida.
  • autoproteção -> a mente subconsciente é nossa mente protetora. Isso é provavelmente o que há de mais importante nesta mente. Deve nos proteger contra o perigo real ou imaginado. Visualizar algo imaginado pela mente subconsciente é como se estivesse realmente acontecendo (pesquisas recentes neurocientíficas comprovam que o cérebro não distingue realidade de fantasia).
    • Um exemplo clínico: mulher extremamente obesa a procura de hipnoterapia para perder peso. Ela se dizia com problemas em relacionar-se com a comida e quando ficava ansiosa, comia compulsivamente. Entretanto, sabíamos que um evento em seu passado fazia com que sua mente subconsciente a protegesse tornando-a obesa. Resumidamente, o que aconteceu com essa mulher em particular e que ela não se recordava conscientemente, era um abuso sexual sofrido quando ela era apenas uma pequena menina de seis anos. Ela contou a sua mãe na época e sua mãe não acreditou, ou não quis acreditar nela. Ela se sentiu, portanto, culpada deste fato e com outras situações subsequentes na adolescência e início da fase adulta, projetando subconscientemente que não poderia confiar jamais em nenhum homem, tornou-se obesa sem o saber conscientemente. A mente subconsciente tomou uma decisão protetora: já que homens ferem mulheres eu devo protege-la contra homens. Ganhar peso rapidamente seria uma forma de protege-la contra interesses masculinos.

Utilizando funções da mente subconsciente – a memória permanente, as emoções e entendendo a autoproteção criada – foi possível resignificar e dessensibilizar o fato, proporcionando equilíbrio para o cliente.

É assim que o subconsciente nos protege. Ás vezes de uma maneira que preferiríamos ser diferente, mas a proteção é o seu principal trabalho.

  • resistência a mudanças -> a mente subconsciente é também uma parte que pode ser negativa -> acomodada e resistente a mudanças. Não aceita facilmente sugestões que sejam distintas da programação já instalada. Manter as coisas como elas são é também uma forma de proteção, muitas vezes não ideal, mas que deve se manter até que um novo programa seja instalado, substituindo o anterior. Esta parte da mente subconsciente só é negativa muitas vezes por que não vivenciamos como membros de uma família ou socialmente, experiências que nos foram positivas. Se essas experiências tivessem sido positivas, esta resistência protetora a mudanças seria algo maravilhoso, que nos manteria pleno em todos os momentos. Mas, infelizmente nossas experiências muitas vezes foram complicadas. Então, sugestões positivas são muito difíceis de influenciar nossa mente subconsciente. Por outro lado, sugestões negativas, que corroboram muitas vezes com a programação/ experiência já existente, influenciam esta parte interna de nós sem restrições, porque não exige nenhum trabalho para aceitar tal sugestão negativa. Como isso funciona? Imaginemos que uma pessoa muito pesada sai do chuveiro. Agora de pé em frente de um espelho. O que você acha que ela está dizendo para si mesma enquanto olha para aquele espelho? Dirá: “Nossa, eu sou gorda”. E essa ideia ou pensamento “vai direto” para a mente subconsciente e a mente subconsciente diz: “Sim, isso coincide com a programação que eu tenho aqui, que corresponde à minha percepção de você. “Portanto, ela aceita essa sugestão o que a torna mais gorda e mais pesada. Por outro lado, se você levar essa mesma pessoa pesada e mantê-los na frente de um espelho e pedir que diga: “Eu sou magra e eu sou atraente”, a mente subconsciente dirá: “Não, isso não combina com a programação. Não sei como proceder com algo diferente do que foi programado e preciso defendê-la. Porém a única defesa é o que já está programado, ou seja, você está gorda. Não permitirei que esta sugestão diferente e positiva entre aqui.”